Seja Bem Vindo, hoje é Quinta-feira, 24 de Abril de 2014
Login: Senha:
PRINCIPAL O JORNAL CARTA NOTÍCIAS GALERIAS COLUNISTAS CONTATO
Eliana De Linhares


   AGRICULTURA
   ARTIGOS E OPINIõES
   ASSOCIAçõES E SINDICATOS
   CHARGE
   CIêNCIA
   CINEMA
   CULTURA
   DESTAQUE
   ECONOMIA
   EDUCACãO
   ELEIçõES
   ENTREVISTAS
   ESPORTE
   EVENTOS
   GERAL
   MEIO AMBIENTE
   MUNDO
   MúSICA
   NATAL
   O LEITOR
   POLíCIA
   POLíTICA
   REGIãO
   RELIGIãO
   SAúDE
   SEGURANçA
   TECNOLOGIA
   TEMPO
   TRâNSITO
   VARIEDADES

Clique aqui e envie notícias, comunicados, opiniões entre outros assuntos para o Leia Agora.

ÁUDIO: pai de Bernardo chama filho de "esse menino"

Confira aqui a previsão do tempo da sua cidade e região!

Economia local depende da suinocultura
03/06/2011
Economia local depende da suinocultura
Melissa Resch e Anderson Silva/LeiaAgora

Um panorama da atividade suinocultora de Frederico Westphalen

Uma das mais representativas atividades que sustentam a economia de Frederico Westphalen é a suinocultura. Só ela corresponde a 56,10% do PIB – Produto Interno Bruto -, agropecuário do município, o que diz respeito à cerca de R$ 45.000.000. Temos alojado, aqui no município, um dos maiores frigoríficos da região, a Mabella, que exporta para todo o Brasil e ainda para países como Rússia e HongKong. Além disso, também a Cooperativa Cotrifred e a Sadia têm parceiros produtores na cidade.

A atividade, de importância crucial para o contexto sócio-econômico inclusive do Estado, é representativa por estar localizada dentro da pequena propriedade rural de economia familiar, e importante fonte de geração de renda, ajudando assim a manter a população no campo.

Nossos entrevistados se mostraram receosos e acreditam que o momento seja de cautela. Em via oposta, o secretário da Agricultura de Frederico Westphalen, Pedro Cavalheiro, afirma não acreditar que a área esteja em momento de crise:

- Até o presente momento não estamos vendo crise na suinocultura por parte dos produtores e também pelos empresários do município, pois estamos recebendo pedidos para terraplanagem de novas pocilgas. E se a atividade estivesse em crise não teríamos estes pedidos para aumento de produção de suínos.

Porém, a crise não parece ser um alarde a toa dos envolvidos com a suinocultura. Darci Mariotti (foto), diretor do Frigorífico Mabella, hoje pertencente ao grupo Marfrig, mas que em breve fará parte da Seara, diz que a oferta está maior que a demanda e percebe sim uma crise:

- O Rio Grande do Sul manteve a produção adequada, mas Santa Catarina e Paraná aumentaram muito. É uma crise que deve se arrastar por uns 60 ou 90 dias. O que determina o preço do porco não é seu custo, mas o mercado.

Cléber Cerutti (foto), engenheiro agrônomo consultor da Associação dos Agricultores de Frederico Westphalen, coloca que se houver crise ela não afetará em primeiro momento os produtores.

- Mesmo o produto sendo comoditie estamos sofrendo variações diárias de valor, em primeiro momento os produtores não sofrerão nenhum impacto, pois os frigoríficos garantem toda a produção dos suínos.

O secretário administrativo da parte de suinocultura da Cotrifred, Dari Luis Albarello (foto abaixo), também afirma que os produtores parceiros, neste momento, não sentirão os efeitos dessa suposta crise, já que, segundo ele “quem perde com isso são as empresas produtoras, que acabam tendo prejuízo ao invés de lucro. O produtor parceiro continua recebendo normalmente”

Ainda de acordo Dari, todo produtor está trabalhando com prejuízo de R$ 30 a R$ 50 por cabeça. Conforme pesquisas da Scot Consultoria, apesar da baixa de cerca de 20% nos dois primeiros meses do ano, a recuperação dos preços já está em andamento. Dados do site SuinoS, apontam para o preço do suíno gaúcho, que baixou R$ 0,16 nesta semana ficando em R$ 1,90. O preço mínimo baixou R$ 0,13 centavos, ficando em R$ 1,71 e o máximo baixou R$ 0,33 centavos, ficando assim em R$ 2,12.

O secretário da agricultura, Pedro, salienta a relevância da atividade suinocultora para Frederico e região:

- A suinocultura gera riquezas e retorno econômico para os produtores e município, além do valor social que tem, mantendo o produtor no campo, disponibilizando adubação orgânica de dejetos suínos aos produtores de leite nas cercanias da pocilga e diminuindo seu custo de produção. Além disso, a produção leiteira do município é beneficiada.

Também Mariotti, diretor da Mabella, nos aponta a questão do êxodo rural, um problema cuja solução, segundo ele, tem como aliada a suinocultura:

- A nossa parceria com as pequenas propriedades é a garantia de sobrevivência desses produtores. Além do aproveitamento dos dejetos, essas propriedades se tornam microempresas que mantém o pessoal no meio rural, principalmente o jovem, que antes precisava sair do campo para ter acesso ao conforto que queria, agora não precisa mais, pelo pagamento dos trabalhos prestados a nós.

Cléber sabe da importância financeira que os suínos geram para os produtores, porém, para mantê-los ou ampliar o número de criadores é necessário mais do que frigoríficos para comprar, é preciso um maior apoio do poder executivo, principalmente no que tange a assistência direta a elevada demanda de dejetos.

- Uma das maiores preocupações para o produtor, o município e o meio-ambiente, é o dejeto líquido proveniente do porco. Hoje, temos apenas um caminhão para cobrir cerca de 80 propriedades, o que é insuficiente, devido à quantidade de esterco oriundo dessas pocilgas. Já recebemos um sinal positivo para a aquisição de mais um destes veículos, o que será, no ponto de vista da associação, um desafogo aos proprietários.


A suinocultura em números
Frigorífico Mabella
    Darci Mariotti nos apresentou a atual situação da Mabella. A empresa ainda pertence ao grupo Marfrig, mas em breve será marca top da Seara, quando será chamada, então, de Nova Seara. Possui hoje, só em Frederico Westphalen, 298 parceiros produtores, entre UPL’s (Unidades de produção de leitões), chechários (onde ficam os suínos com até 25 kg) e terminadores (fase final de engorda). Porém, também possuem parceiros em cidades como Itapiranga, Pinheirinho do Vale, Taquaruçu do Sul e Rodeio Bonito. Contudo, Mariotti afirma que a parcela de contribuição de Frederico, quanto aos parceiros, é bastante relevante.

Segundo o empresário, cada uma das partes é paga separadamente. Assim, as UPL’S, o crechário e a terminação recebem, individualmente, seus percentuais. Porém, existem também os parceiros independentes, que fazem todo o processo, até a terminação, e vendem à empresa. Para Mariotti, quando o mercado está em alta, o melhor é criar, caso contrário, torna-se mais lucrativo comprar.

São hoje 1140 funcionários empregados na empresa cuja capacidade de abate gira em torno de 2000 suínos por dia e, de acordo com Mariotti, o abate é sempre cheio. O empresário, conta que o forte da exportação da Mabella é para a Russia, mas também há países importadores como Hong-Kong.

Cooperativa Cotrifred

Dari Luis Albarello e Adelar Milani (foto), técnico de fomento a agricultura pela Cotrifred, apresentaram ao LeiaAgora os números da empresa, segundo eles, a Cotrifred hoje possui um total de 26.630 suínos. Destes, 6200 estão no crechário e 19800 suínos na terminação. Estes 6200 do crechário representam, em valores atuais de mercado, R$ 593.656,00 mil, enquanto os da terminação ou engorda representam R$ 3.914, 803,00 reais. Assim, tem-se um total, em valor imobilizado na suinocultura da empresa, de R$ 5.523,000,00 milhões.

A empresa, que antes trabalhava com a Mabella, agora está em parceira com a Aurora, de Sarandi. Dari diz que a Cotrifred de Frederico é a central de todos os oito municípios nos quais está alojada, e que a parte principal de produção de leitão está em Pinheirinho do Vale, onde residem 60% dos produtores. Por questão de logística, a creche fica em Frederico, como forma de tornar mais próxima a assistência técnica. Já os terminadores estão em Frederico, Palmitinho, Vista Alegre, Taquaruçu do Sul, Vicente Dutra, Caiçara, e Iraí.

Pela Cotrifred, são 35 produtores parceiros. Destes, 31 são de terminação, com capacidade alojada de 13.205 animais por lote e 40.000 por ano. Outros dois parceiros são crechários com capacidade alojada de dois mil leitões por lote e 16 mil por ano. E os outros dois são UPL’s. Assim, fecha os 35 parceiros com os quais a empresa trabalha em Frederico. Adelar salienta a significativa parcela de Frederico na atividade. Segundo ele, todas as unidades juntas possuem um total de 46 terminações, destas, 31 estão em Frederico.

Ampliação da empresa Cotrifred
Até o fim de 2011, a Cotrifred terá uma ampliação de 30%, passando assim de 45/50 mil suínos abatidos ao ano para cerca de 90 mil. De acordo com Adelar, a ampliação está mais restrita a outros municípios, já que a produção da atividade suína em Frederico já está bastante concentrada. Assim, cerca de 70% dessa ampliação se dará em Iraí, porque lá é uma região que quase não tem suínos.

Suinocultura em Frederico

Atualmente, dentro do perímetro de Frederico Westphalen, são encontrados 1400 estabelecimentos agropecuários. Destes, pouco mais de 80 são da suinocultura. Mesmo representando apenas 6% das propriedades agrícolas, aproximadamente 50% da receita agropecuária municipal é gerada por eles.

As propriedades, na última estimativa, em 2009, produziram 108 mil suínos para abate, gerando uma receita de 32 milhões de reais ao ano. Isto se reporta ao comércio local: na produção de leitões e engorda para abate, os criadores recebem dos frigoríficos e gastam no comércio aproximadamente dois milhões, equilibrando toda a economia.

Segundo Cleber Cerutti, se fossem colocados todos os chiqueirões dentro do perímetro urbano de Frederico Westphalen, poderia se cobrir facilmente seis quarteirões e, com as esterqueiras, poderia se encher uma piscina de mais dois quarteirões.

Em comparação, todos os produtores juntos alimentariam uma cidade de 700 mil habitantes durante todo o ano. Se todos os suínos fossem carregados para abate em um único dia, se teria uma fila de caminhões de dez km. Começando do zero a construir todas essas instalações para criação de suínos, se gastaria, hoje, no mínimo dez milhões de reais.

Somente em adubo orgânico são 100 mil metros cúbicos, que cobririam uma área de três mil alqueires, equivalendo a 700 toneladas de adubo químico com valor próximo de um milhão de reais, que deixam de ir para fora do município ao serem adquiridos. Um único caminhão, distribuindo nas lavouras todo esse adubo orgânico, levaria cinco anos para realizar todo esse serviço.

Uma das soluções para estes dejetos, seria que todas as propriedades tivessem biodigestores, com geradores de energia, com capacidade de fornecer luz para 200 residências. Juntando os créditos de carbono com a adubação, se obteria uma renda extra, capaz de dobrar a receita.







1º Baile da Sede Zero
Início: 11/01/2014 - 23:30:00 horas 
Local: Ginásio São Cristóvão - FW  
Ginásio do São Cristóvão Animação: banda G10 Obs.: Cerveja SUB Zero a R$ 2 na nota, a noite toda
Mais Eventos
Total de acessos: 2025936
Desenvolvido por VirtualBit